Importando da China

importar da china

Não seria exagero dizer que Brasil e China não vivem um sem o outro. É impossível falar em importação e soja sem pensar na relação forte entre os dois países. Caso esse vínculo se quebrasse, a China enfrentaria grandes problemas para suprir sua demanda e o Brasil, por sua vez, teria um dos maiores rombos já vistos em sua balança comercial.

Só no último mês, as importações de soja do Brasil pela China subiram 300%, e olhando para o acumulado dos onze primeiros meses de 2015, as compras chinesas do grão nacional totalizaram 39,06 milhões de toneladas. E você pode aprender a importar no curso Importando com Sucesso. Mas, esse cenário é bastante atípico já que as importações de soja doas Estados Unidos pela China, por exemplo, caíram quase 9 por cento na comparação anual.

O maior atrativo para as indústrias chinesas é a ampla oferta brasileira, que vive tendo safras recorde e também ao momento de queda generalizada do mercado de commodities agrícolas. O desempenho da Argentina também foi considerável, em que, no acumulado do ano, as compras chinesas do grão argentino tiveram alta de 46 por cento.

No panorama mundial e nacional, a soja representa, economicamente, uma das principais culturas produzidas e, consequentemente, uma das maiores fontes de renda. A oleaginosa é, nacionalmente, a principal cultura e, segundo dados da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), ela representa 47% de toda a produção agrícola brasileira.

A riqueza em proteínas confere ao grão grande importância no setor alimentício, tanto para humanos quanto para animais. Também tem grande importância no setor de energia, como, por exemplo, no combustível etanol. Além disso, sua cadeira pode ser caracterizada como uma cadeia agroindustrial, na qual, antes mesmo da produção, é preciso a existência de um setor de insumos, máquinas e implementos agrícolas.

Para entender a importância do nosso país nesse cenário é importante estar atento ao dado que mostra que a China sozinha representa 65% das importações mundiais. Assim, qualquer oscilação envolvendo a economia chinesa que interfira na sua demanda por soja pode comprometer o quadro de oferta e procura mundial da commodity.

Recentemente, o governo chinês aprovou ainda três variedades de soja geneticamente modificada, decisão que será muito importante para o Brasil no âmbito econômico. As espécies têm a propriedade de supressão da população de lagartas que causam muitos danos às lavouras brasileiras. Sendo assim, a importação do grão torna-se agora ainda mais vantajosa, visto que a produção, com a introdução dessas culturas modificadas, vai aumentar muito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *